terça-feira, 17 de fevereiro de 2009

TIC-TAC – HORA DO CONTO!!






TIC-TAC – HORA DO CONTO!!

E a história de hoje é:

A NOVA RAINHA DO MAR

No fundo, bem no fundo do mar, em profundezas onde o homem não pode chegar havia uma enorme plantação de ostras e seres marinhos muito especiais.
Naquele dia uma grande festa acontecia. A família Cavalo-marinho estava toda reunida e todos os seres marinhos da redondeza haviam sido convidados. Era o casamento da filha mais velha. E quando havia casamento no fundo mar, sempre havia muita música e muita comilança. E como era de costume, não podia faltar a bela Sereia Luara que aparecia na festa parta dar a benção aos noivos e distribuir estrelas do mar como presente.
Quando a festa finalmente terminou, a sereia Luara, muito cansada estava indo embora e escutou, atrás de uma alga marinha escutou chorinho desconsolado.
Luara resolveu descobrir o que estava acontecendo e encontrou uma pequena ostrinha chorando muito, muito.

- Por que chora pequenina? Por que não estava na festa dançando e se divertindo como todos? – perguntou a sereia.


- Oh Luara algo muito estranho está acontecendo comigo e acho que vou morrer! – respondeu a pequena ostrinha chorando sempre mais e mais.

A Sereia Luara que conhecia todas as coisas das profundezas dos mares, já imaginando o que poderia estar acontecendo tentou acalmar a pequena ostrinha e perguntou:

- Mas como assim minha pequenina, o que está sentido?

- Meu corpinho está doendo muito, sinto como se alguma coisa estranha estivesse crescendo dentro de mim!

A sereia sentou-se então do lado da pequena ostrinha e começou a lhe contar o que acontecia com algumas ostras muito especiais.

- Estas ostras tão especiais minha pequena, são capazes de transformar um pequeno grãozinho de areia em uma jóia de grande beleza e riqueza. Uma perola!

Mas a verdade é que a sereia Luara também estava muito emocionada porque há muitos e muitos anos uma ostra não produzia uma perola naquelas profundezas.

- Oh minha pequenina não chore, você é apenas uma ostrinha especial, muito especial, e isso é motivo de comemoração e não de choro.


Se sentindo bem melhor, apesar da dor, mas ainda sem entender muito bem, a pequena ostra respondeu:

- Sim, eu sei, mas eu aprendi na escola que há cem anos uma ostra não conseguia transformar um grão de areia em perola. A maldade dos homens da terra interferiu em nosso reino aqui, que mesmo tão distante perdeu a força e fez desaparecer nossas riquezas. Então, como pode eu estar criando uma perola?

- Muito bem minha pequenina. Assim prova o porquê foi escolhida para ser uma ostra especial e transformar-se na nova Rainha. É muito esperta e inteligente!

A pequena ostra sorriu se sentindo muito admirada e também assustada pensando: “Nova rainha, eu?”

- Mas saiba minha pequenina, nada dura para sempre. Os homens se arrependeram da maldade que destruiu nossa riqueza e você foi a escolhida para anunciar que a riqueza de nossas profundezas está de volta! – falou a sereia agora já muito contente e nadando de um lado para outro.

A pequena ostra ficou encantada com aquela descoberta e como que por um milagre, seu pequeno e frágil corpinho começou a se abrir e lá de dentro surgia a jóia mais linda que a Sereia Luara já tinha visto em todas as profundezas dos mares por onde passou.


Emocionada, Luara começou a cantar e todo o reino foi despertado pelo som de sua música.
Logo todos chegaram e ao ver o que acontecia uma enorme onda de sorrisos brilhantes se iniciou, anunciando os novos tempos de riqueza que recomeçava nas profundezas daquele oceano.
Todo o reino entrou em festa e pequena ostra era a agora a nova Rainha do Mar! Foi coroada e passou a administrar todas as novas perolas dos mares, sempre lutando para que a maldade dos homens não interferisse de novo em seu maravilhoso reino.
A pequena ostra era agora a pessoa mais especial das profundezas, mas não por sua riqueza, mas por seu coração puro e bondoso que distribuída alegria e riqueza a todos os seres marinhos, com muita sabedoria ela ensinava:

- De nada me valerá esta perola se outras não puderem nascer!

E assim aquele reino nas profundezas do mar ficou conhecido como o jardim de ostras mais rico e belo।




AUTORA: CLAUDIA GENNARI ALBA
Confira outros textos infantis desta autora no Recanto das Letras: http://recantodasletras.uol.com.br/autores/cigi

Um comentário:

  1. Muito legal e esse teu jornal está ótimo! um beijo,chica

    ResponderExcluir

Não deixe de comentar ... sua opinião é muito importante!